Como um post no Facebook custou 80 mil dólares ao pai de uma adolescente


Patrick Snay, um norte-americano de 69 anos, estava a processar a Escola Preparatória de Gulliver, em Miami, da qual foi diretor por descriminação com base na idade, depois de lhe sido recusada a renovação do contrato.

Dana Snay

As duas partes chegaram a acordo: a escola iria pagar-lhe 10 mil dólares de salários atrasados, mais 80 mil (num total do equivalente a cerca de 65 mil euros). Com uma única condição: manter o acordo secreto.

Mas antes de Patrick poder celebrar a vitória, já a filha o fazia do Facebook: “A Gulliver vai pagar as minhas férias na Europa este verão”, gabava-se.

A divulgação do acordo através da rede social serviu de argumento à escola para não pagar a verba, alegando que Snay quebrou a cláusula de confidencialidade.

O caso, que remonta a 2011, tem andado nos tribunais desde então. Na semana passada, um tribunal da Florida entendeu que Snay tinha, realmente, violado o acordo de confidencialidade, ao contrário do que instâncias anteriores tinham decidido.

Fonte: Visao